Capítulo 248 - TODOS MENOS JOEL

~POV Jake~

- Está tudo bem aqui? -uma das inspetora perguntou. Ela já ia trancar a porta.

- Tá. -respondi e o soltei. Ele ficou me olhando.

Fomos embora e ele não disse mais nenhuma palavra.

~Seu POV~

Estava em casa na piscina aberta sem fazer nada. A água tava quentinha e não tinha ninguém pra encher. Fiquei conversando com o Mike.

- Você se incomoda? -ele perguntou.

- Não. Bom, depende, quem são eles?

- O resto.

- Bela forma de chamar seus amigos.

- Se eu sou o chefe, eles são o resto, ué.

- Tá, vou ver.

- Um momento. -ele disse e ouvi ele tossindo por um longo tempo. Olhei pro céu, pro jardim, para as árvores e pro Math chegando- Pronto. 

- Seu pulmão ainda tá dentro de você? 

- Acho que sim. Para disso.

- Mike...

- Não é cigarro, é sério. 

- Tá fumando o que?

- Mudando de assunto na cara dura... Então...

- Mudando nada.

Ele bufou.

- Vai se ferrar. -desliguei na cara dele- Oi, Math. 

- Tchau. -ele disse sem olhar na minha cara e foi passando.

- O que foi?

- O Jake! -ele parou pra me olhar.

- O que aconteceu?

- Ele vai contar pra Alli que eu traí ela!

- Ele tá errado?

- Não, ele só não tem que se intrometer.

- Você sabe que um dia mesmo sem ninguém contar ela vai descobrir.

- Eu tento mas eu não consigo! Eu vejo outra menina e... -ele jogou a mochila na grama, tirou o tênis e colocou os pés na água.

- Isso é falta de vergonha na cara.

- Não é. Eu vou tratar a Alli muito bem e ela nem vai reparar. É isso, sem estresse.

- Math, Math...

- E esse biquíni?

- Começou. Não tem ninguém aqui! 

- Tem eu.

- O Jake tá fazendo com você o mesmo que você fez comigo desde quando eu tinha 13 anos.

- Nessa época eu tava perdendo a minha virgindade. -ele disse olhando para o nada.

- Math! Não precisa nem me contar os seus pensamentos!

- E eu nem lembro o nome da menina. E também não lembro do meu primeiro beijo.

- MATH!

- OI?! -ele me olhou.

- Chega.

- Tudo bem. Quer fazer alguma coisa hoje?

- Não. Tenho compromisso.

- Eu vou ver o Mike, ai, ele é todo perigoso e eu amo ele até a hora de ele me deixar e eu ficar com raivinha e contar pra polícia onde ele tá. -disse ele fazendo uma voz fina.

- Eu vou ver a Alli, ai, ela é tão gostosa e eu amo ela até a hora de ela me deixar porque descobriu que eu traí ela, aí eu vou chorar, ficar super triste e vou desabafar com a minha irmã. -eu disse fazendo a mesma voz.

- Minha voz não é assim.

- E daí? Sua voz é rouca e de homem, pra te provocar falo que é fina.

- É? -ele disse levantando, pegou meu celular e saiu correndo. Sai da água e corri atrás dele, ele entrou na casa. Mano, eu não tinha apagado as mensagens com o Mike!

Uma das empregadas estava limpando e eu entrei molhando tudo. Grudei atrás do meu irmão tentando alcançar suas mãos.

- Me solta! Sai daqui, carrapato! -ele disse.

Consegui tirar da mão dele, pedi desculpas para a mulher que estava limpando e subi. Tomei banho e me vesti:
Desci e fiquei assistindo tv.

~POV Ruby~

Os pais de Josh andam ficando fora. Agora eles estão viajando e o Elijah fica por aí. Isso só dá brecha pra ele ficar fazendo as besteiras que faz, tipo apostas com o Math que não acabam mais e é por isso que fica bêbado, que fica todo estressado e agora está indo super mal na escola. Vim ficar uma semana aqui porque ele me chamou, mas já estou saindo do sério. 

- JOSH, ONDE É QUE VOCÊ TAVA?! HOJE É TERÇA-FEIRA!

- E DAÍ? -ele fechou a porta da sala ao entrar e coçou os olhos.

- O que aconteceu? -levantei do sofá cruzando os braços. 

- Só tô com sono.

- Sono? E eu sou idiota, né?!

- Se você acha... -ele disse subindo as escadas e eu fui atrás- Me deixa, vai.

- Você não liga, não avisa, não manda mensagem e nem aparece na escola! Até a hora de eu contar para os seus pais e...

- CONTA QUE EU TE ARREBENTO! -ele virou para mim. Eu estava do lado de fora do seu quarto e ele dentro.

- Que?! Como é que é, Joshua??

- É só modo de dizer. Agora sai do meu pé, faz dois dias que a gente tá namorando e eu já não aguento mais!!

- Eu só quero cuidar de você. E foi você que pediu pra voltar...

- Exatamente.  Eu que te pedi em namoro, eu que mando nesse relacionamento e nem pense em ficar toda estressadinha e me largar, porque só vamos terminar quando eu decidir que não quero mais.

Olhei pra cara dele por dois segundos e e saí sem falar nada. Entrei no quarto de hóspedes e bati a porta.

- QUEBRA! -ouvi ele gritar mas nem respondi.

Deitei na cama e chorei. Chorei porque ele nunca foi tão grosso desse jeito, é sério, eu pensei que ele ia me bater pra me fazer calar a boca. O pior é que fiquei aqui por horas e ele nem veio me ver.

~POV Jake~

A Ali anda insuportável e eu não tenho paciência pra isso! Ainda bem que hoje viemos pra casa dela, porque se começasse a fazer show na frente da Poppy e do Kipp eu largaria dela. Eu sei, eu sei, grande coisa terminar com uma "Alli" e começar a namorar uma "Ali". É, a vida tá ótima! 

- E DAÍ?! -gritei- VOCÊ TEM OS SEUS AMIGOS E EU TENHO OS MEUS!

- ACONTECE QUE VOCÊ SÓ TEM AMIGO MACONHEIRO E RICO. E VOCÊ SABE MUITO BEM QUE EU NÃO GOSTO DAS SUAS AMIGAS! Jake, e ainda por cima você foi lá defender a sua ex! Você acha mesmo que ela mereceu isso?!

- Você não tem nada que se intrometer. 

- Se você ainda gosta dela me fala logo, mas não faz isso comigo.

- Não começa a chorar, não. -bufei- Sem drama.

- Me responde!

- Não! Ela tem namorado e a Ruby e a (SeuNome) também! 

- Eu viu fingir que acredito! -ela disse subindo as escadas- Não fala comigo pelo resto do dia! -ela bateu a porta do seu quarto com tudo.

- QUEBRA! -gritei. Acenei me jogando no sofá e fiquei assistindo tv por horas.

~POV Math~

Mano, eu sei que o Jake tem coragem de chegar na Alli e contar. E eu sei que ele vai fazer isso, então só preciso achar um jeito de acabar com ele. Faz uma semana que eu comprei um anel pra ela pra pedir em namoro, só estava esperando a hora e acho que é essa. Faz tempo que a gente tá ficando e eu gosto dela, mas como já disse, não consigo ficar SÓ com ela. Tô aqui deitado na cama da minha irmã olhando pro lustre de cristais no teto, pensando e criando coragem pra ir lá na casa dos Simpson. O problema também são os pais dela, nunca que eles vão deixar a gente namorar.
Ah, eu comprei também aquela saia que ela queria, que estava comentando com a minha irmã naquele dia. Mas não sei se vou deixar ela usar, não. Ela vai ficar MUITO gostosa dentro dela.
Na boa, eu não consigo ficar aqui parado, levantei e resolvi mexer nas coisas da minha irmã, ela odeia isso. Ela não é muito organizada, o melhor de tudo é xeretar e ver que não tem droga em mais nenhum lugar. Abri uma das gavetas e achei um livro. Abri e havia coisas escrito com a letra dela.

~Seu POV~

É muito chato ficar aqui sozinha, fui chamar o Math. Não o achei no quarto dele, entrei no meu porque a porta estava fechada e aí tem coisa.

- MATH, LARGA ISSO! -gritei.

- Você tem um diário? -ele perguntou debochando.

Passei pela cama e cheguei até ele. Era mais fácil e rápido do que dar a volta. Tirei da mão dele e coloquei contra o peito.

- Não! Não é diário. Isso é de muito tempo atrás.

- A data que eu vi foi desse ano.

- E daí?

- E daí que eu quero ler. E eu vou ler.

- Não, Math, você não vai.

- Por que? Tem coisa minha?

- Não, é coisa minha. Me deixa.

- Ai, tá estressada? Só me deixa mais curioso.

- Tô nem aí! Pela nossa amizade eu peço que você não leia.

- Ixi, amizade? A gente tem é um relacionamento sério. -ele me tirou o diário, colocou na mesa e me jogou na cama, caindo em cima de mim.

- Math!

- Calma, gata, eu sei os limites.

- Math!

- Tô zoando! -ele riu e rolou para o meu lado.

- Sai daqui, não me toca.

- Credo, que chatisse. 

- Eu quero dormir.

- Tá bom. -ele disse levantando.

- Numa boa?

- É.

- Vai me deixar dormir?

- Não. -ele saiu.

Virei para o lado e me ajeitei. É, Math não fez nada pra me ac...

- CRISTO! -gritei. Math começou a tocar bateria e dava pra ouvir daqui! Como eu já disse, ele toca bem mas nas horas mais impróprias! 

Me rendi e desci novamente para a piscina.

~POV Lucas~

A mãe da Abby a expulsou de casa, mas comprou ou alugou, ou já tinha um apartamento e me obrigou a morar com ela. Ela disse que não queria ver a filha com barriga de grávida e talvez só a quisesse ver depois de ter tido o filho. O pior é que essa tal da Keep inventa um monte de coisa, nada tá bom, tudo é motivo pra reclamar, pra brigar e principalmente pra gritar. 

- ONDE É QUE VOCÊ TAVA?

- Abby, eu fui comprar o que você pediu, eu sai faz só 25 minutos. 

- Agora eu não quero mais!

- Eu também não quero! Você tá insuportável e fica louca com vontade de alguma coisa e se eu demoro 5 minutos com ela você já não quer mais! Mano, isso cansa!

- Quem me cansa é você! Você nem fica comigo! 

- COMO NÃO?! EU FICO 24 HORAS DO SEU LADO E AGORA QUE A GENTE JÁ FEZ AS PROVAS ANTES E PASSOU DE ANO EU NÃO SAIO DO SEU LADO!

- SAI SIM!

- Chega, pra mim já deu. -disse subindo as escadas.

- Não fala assim comigo, volta aqui!

- Volta aqui? Eu sempre vou atrás, já disse que cansei, chega.

- Tá terminando comigo?

- E a gente tem alguma coisa?!

Entrei no nosso quarto e ouvi ela chorando baixinho lá em baixo. Mano, é sério, eu até gosto dela, trato ela bem mas ela não retribui, não agradece nem nada! Às vezes acho melhor sair de perto dela pra não acabar perdendo a linha. Ela está só de 2 meses, preciso ser macho mesmo pra aguentar mais 7.

~Seu POV~

A noite foi fechando e eu me arrumei:
Mike me ligou e disse:

- Você quer vir mesmo?

- Por que você tá falando isso?

- Você é só uma menina.

- Obrigada por lembrar disso, ô machão.

- Então tá bom, só não me venha com roupa curta, por favor.

- Por que?

- Você tem amigos da sua idade e já são como são, imagine homens da minha idade até 40 anos.

Fiquei quieta, mano, não quero ir mais, não. Mas se bem que eu acho que Mike vai cuidar de mim.

- Não quer vir mais?

- Não, é que...

- Você ficou quieta. -ele deu uma risadinha- Relaxa, eu vou estar aqui. E não é questão de ser bonitinho ou sei lá como você chama, mas realmente você sabe que eu mato e morro por você. 

- Sei. Então tá bom.

Ele me explicou onde era, peguei um táxi próximo ao lugar e o resto fui à pé. É mancada minha pensar isso, mas não vou ir de carro pra um lugar onde tem amigos do Mike. 
Cheguei e havia uma roda de pessoas. De uma boca saía fumaça e eu logo vi que era Mike. Fui pra perto dele, ele NA HORA tacou o cigarro longe e me deu um beijo na cabeça. 

- Ela? -um homem perguntou olhando pra mim.  Reparei que era um dos caras que me sequestraram depois que Mike foi preso.

- Você tá zoando. Quer morrer ou o que? -uma mulher perguntou. Detalhe: ela era extremamente linda. Não acredito que ela fica no meio desses homens e...confesso, já deu ciúmes só de imaginar Mike ao lado dela.

- Eu ia contar antes. -Mike respondeu.

- Ia quando?! -outro perguntou.

- Algum dia e isso não é da conta de nenhum de vocês! -Mike respondeu num certo tom de autoridade e demonstrando raiva.

Sim, eles todos começaram a discutir, eram uns oito. E tudo por minha causa, eu fiquei com medo, ou melhor, com muito medo de eles começarem a tretar na base do tiro ou sei lá.

- Você sabe o quanto a gente perdeu com isso? -perguntou a mulher gostosona. 

- Sei e não precisa ficar falando! -Mike respondeu.

- Tá explicado porque você nunca quis roubar os (SeuSobrenome). Essa daí é da família. Mas dá próxima vez a gente deixa você pra lá, não deixa mais você mandar, aí já vamos saber que é um casinho seu e tu tá protegendo a mina. -um dos homens disse com raiva olhando pra mim.

Eu queria falar alguma coisa mas não tenho coragem, não.

~POV Math~

É agora. Agora ou nunca. Levantei da cama, peguei tudo que tinha que pegar e fui lá com metade da coragem que eu tenho é toquei a campainha da casa dos Simpson. Pra melhorar tudo, quem abre? O pai dela. 

- Oi. -eu disse.

- Que cê quer?

- Entrar.

- Pra?

- Falar com a sua filha.

- Como vocês dizem: não vai rolar. -ele foi fechando a porta.

- Então eu falo com ela na escola.

Brad respirou fundo, me olhou e deixou eu entrar. Logo na sala recebi uma mensagem da Alli "preciso conversar com você". Pedi permissão pro pai dela pra subir e bati na porta dela.

- Oi. -disse sorrindo.

- Que rápido. -ela disse séria- Oi, cara de pau.

- Que? O que eu fiz?

- Nada, a Ruby me contou umas coisas e eu fiquei meia...

- Ah, não, não começa... -eu disse, ela me puxou pra dentro do quarto e fechou a porta.

- Se você não confia em mim, Alli, então é sério, acaba aqui porque assim não dá.

~POV Alli~

- Tá terminando comigo? -perguntei.

- Pra você ver, né? Terminando uma coisa que nem começou direito.

Nunca o vi tão sério assim, parecia até um pouco sem paciência pra me ouvir.

- Eu tô falando sério, Alli. O pior é que eu gosto muito de você mas com alguém que fica duvidando de tudo que eu faço não dá não. 

- Math! 

- Math nada! Eu vou no banheiro, te traí, vou na cozinha, te traí, vou no closet trocar de roupa, olha, tinha uma menina escondida lá e ele me traiu, vou no teatro, ele me traiu!

- Você nem vai no teatro.

- ENTÃO! -ele disse.

- Não é assim, é que você era... -me interrompeu:

- Era! Era é muito diferente de ser!

- Não grita. -tape os ouvidos.

- Por que não?! Você grita comigo, desconfia, já me tratou igual um nada, só pra não falar outra palavra, já fez tanta coisa enquanto eu tava aqui. Fazendo o que? Só falando que te amava.

A última pessoa que eu queria ter chorado hoje foi na frente dele. Eu nunca ouvi Matthew (SeuSobrenome) falando uma coisa dessas, nunca nem sonhei que falaria. Ele abriu a porta enquanto eu permanecia imóvel com as lágrimas rolando pelo rosto. 
Consegui me mexer por algum motivo, o segurei pela camisa.

- Não, Alli, deixa. -ele disse virando-se para mim.

- Espera, Math! 

- Esperar? Sério que tá pedindo pra mim esperar?! Já esperei demais e pode ter certeza de que não sou só eu que acha isso.

- Eu sei!

- Alli, o Jake é idiota. Eu não sou não.

- Eu não tô falando isso!

- Não fala mas trata, age, demonstra. Me chama do que você quiser, mas eu também me machuco fácil e você sabe.

Ele foi saindo e a camiseta dele foi escorregando dos meus dedos.

- Math! -disse a última vez. Ele segurou as minhas mãos, me olhou nos olhos e me fez soltar.

- Eu já tava marcando esse dia como o mais feliz da minha vida. -colocou a mão no bolso, tirou uma caixinha e jogou na minha cama.

Math saiu, fiquei imóvel por alguns segundos, bati a porta do meu quarto com muita força, só fez esse barulho enorme porque eu estava com muita raiva. Raiva de mim mesma. Me joguei na cama ao lado da caixinha, apertei o travesseiro e comecei a chorar.
Foi horrível, eu nunca chorei desse jeito, nem quando descobri que estava grávida e pensei "minha vida acabou", reconheci agora o quanto sou idiota, o quanto magoo as pessoas. Lembrei do Jake, não foi justo, eu vou pedir desculpas pra ele por mais que nem se lembre de mim, por mais que já esteja com outra namorada.
Chorei, me odiei, pensei por horas. Senti que eu precisava disso, precisava aprender que o mundo não gira à minha volta. Levantei, fui no banheiro, lavei o rosto e prendi o cabelo. Fui até o quarto de Cody. 

- Alli? -ele perguntou- O que aconteceu? Você tá abatida, tá com uma cara...

- Fala que você não vai sair hoje, fica comigo pra me impedir de me matar.

- ALLI! NÃO FALA ISSO NUNCA MAIS! -ele veio até mim.

- É sério. -entreguei a caixinha na mão dele- Eu não tive coragem de abrir, olha pra mim e não me conta.

Ele abriu, soltou um palavrão e arregalou os olhos.

- É do Math?

- Sim. -respondi- Como é?

- Muito muito muito bonita e também me parece MUITO MUITO MUITO caro.

- Ele jogou na minha cama e...

- Jogou?! Jogou isso? Jogou assim, jogou? 

- Cody!

- Vou até fechar e deixar aqui. -ele disse colocando na sua escrivaninha- E você vai me contar o que aconteceu. 

Sentamos na cama e eu contei. Ele olhou pra minha cara e simplesmente disse que não era pra tanto porque o Math não merecia isso. Ok, fiquei quieta pra evitar brigas, deitei em seu colo e ele ficou mexendo no meu cabelo. 

~Seu POV~

- Fala como se eu tivesse muitos casos. -disse Mike.

- E não tem?! -perguntou um dos homens apontando pra mulher- Você tá mentindo pra uma garota de 16 anos. -ele disse e me olhou- É, amiga, isso acontece muito na sua idade. Não tinha cara pior pra você ficar?

- E você espera que eu acredite? -perguntei erguendo uma sobrancelha.

Na boa, eu não acredito nisso, Mike é todo fodão mas é bem idiota nessa parte de namoro e essas coisas.

- Opaaa. -outro homem disse dando risada do parceiro.

- Espero. -o outro me respondeu.

- Cala a boca. -disse Mike e aquele ali não falou mais nada.

- Ou, o outro lá acabou de mandar mensagem falando que tá voltando. -disse ainda outro homem olhando no celular.

- Faz dois anos e você ainda não sabe o nome dele?! -a mulher perguntou.

- É Joel. -Mike respondeu.

Graças a Deus que Joel é um nome comum. Depois de "desafiar" um desses caras aqui não tô mais com tanto medo de morrer assim. E outra que ao lado do Mike eu tenho menos medo ainda, porque parece que ele fala e o resto obedece, ele manda e o resto faz, ele olha torto e o resto fecha a boca.

- Agora fala a verdade pra memina, sem enrolar. -disse a mulher.

- É... (SeuApelido), o... -Mike começou. 

No mesmo instante, no escuro daquele beco eram poucas luzes da rua vazia que o iluminavam. Um ser loiro entrava andando de um jeito que eu reconhecia, era alto e estava limpando a boca que escorria sangue.
Mas foi só quando ele levantou a cabeça e olhou pra frente que pude ver o seu rosto todo surrado e realmente vi quem ele era.

- JOEL BERECHREE, O QUE VOCÊ TÁ FAZENDO AQUI? -falei alto demais e claro, do tamanho que a minha boca abriu, não pude evitar de gaguejar. Foi um choque, foi horrível, foi inacreditável vê-lo ali.

Ele me olhou, seus lábios se desgrudaram um do outro mas nenhuma palavra saiu, eu sei que ele queria dizer alguma coisa, queria explicar, talvez. Mas me fala: como é que ele vai explicar uma coisa dessas?

CONTINUA?
Friday, 10 October 2014 @ postado Friday, October 10, 2014